É UM IMENSO PRAZER COMPARTILHAR IDEIAS, PENSAMENTOS E CONHECIMENTO COM VOCÊ.

Tradutor

Translate

Mostrando postagens com marcador intervenção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador intervenção. Mostrar todas as postagens

sábado, 30 de agosto de 2014

Dedoches para a hora do conto


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Transtornos Escolares


Transtorno Desafiador Opositivo

     Tem se tornado comum encontrar nas escolas alunos que apresentam um comportamento de extrema agressividade, de raiva que não pode ser contida, de desrespeito as regras e as autoridades. Demonstram não serem sensibilizados por nenhum tipo de intervenção tornando o ambiente escolar assustador e extressante.
     Surge então a seguinte pergunta: o que fazer, como lidar com tal comportamento na sala de aula e demais dependências da escola? E aprendizagem, como torná-la significativa e prazerosa? E os demais alunos? Realmente, as ações de ensinar e aprender  tem se tornado cada vez mais desafiadoras na atualidade.
     Nesse contexto se faz necessário uma avaliação comportamental da criança ou adolescente, que deve ser realizada por um médico especialista em comportamento infantil com formação em psiquiatria ou neurologia. Tal profissional realizará um avaliação comportamental completa que se divide em 5 etapas:
  •  Avaliação com pais ou responsáveis sem a presença do filho – anamnese;
  • Avaliação da escola escrita e dissertativa;
  • Avaliação complementar de outros profissionais;
  • Aplicação complementar de testes padronizados;
  • Avaliação da criança – capacidade e habilidade de comunicação, interação social, atenção, memória, pensamento, inteligência, linguagem, afetividade e humor.

     Concluída a avaliação detalhada o médico poderá optar por uma intervenção interdisciplinar envolvendo profissionais como psicólogo, fonoaudiólogo, psicomotricista, psicopedagogo, entre outros.
    Iniciaremos nosso estudo com o Transtorno Desafiador Opositivo nesta postagem e nas próximas abordaremos outros transtornos.

Transtorno Desafiador Opositivo

   Definição: padrão persistente de comportamentos negativistas, hostis, desafiadores e desobedientes observados nas interações da criança com adultos e figuras de autoridade.
Os sintomas aparecem em diferentes ambientes, especialmente na escola e na casa. Inicia por volta dos 6 anos, ocorrendo mais em meninos.

        Características:
  • Discute com professores e colegas;
  • Recusa-se a trabalhar em grupo;
  •  Não aceita ordens;
  • Não realiza deveres escolares;
  • Manipulador;
  • Não aceita crítica;
  • Desafia a autoridade de professores e coordenadores;
  •  Deseja tudo ao seu modo;
  •  É o “pavio curto” ou “esquentado” da turma;
  • Pertuba outros alunos;
  •  Responsabiliza os outros por seu comportamento hostil.


     O desempenho escolar fica comprometido, gerando alto índice de reprovação. Não aceitam participar de atividades em grupos, nem receber ajuda dos professores. Podem apresentar outros transtornos de comportamento associados como TDAH, ansiedade, humor e transtornos de aprendizagem.
     O diagnóstivo e tratamento precoce são fundamentais para melhorar os sintomas e prevenir que o Transtorno Desafiador Opositivo evolua para o Transtorno de Conduta.
Acredita-se que as causas tem origem multifatorial, apresentando aspectos biológicos e ambientais.
·     Aspectos biológicos: características herdadas como temperamento impulsivo, baixo limiar de frustração, irritabilidade e disfunções em neurotransmissores serotoninérgicos e dopaminérgicos.
·   Aspectos ambientais: comportamento criminoso, acoolismo, uso de drogas por pais e/ou responsáveis, negligência, falta de afeto e suporte emocional, métodos de criação parental comumente observados em lares onde os pais são permissivos e não estabelecem regras ou em lares opressores com normas muito rígidas no qual a criança convive com violência, agressividade, hostilidade, briga entre os pais consideranto tais comportamentos como normal.

      Tratamento: são necessárias várias intervenções a fim de se alcançar resultados positivos no tratamento, tais como:
  •  Medicamentos – objetivam reduzir os sintomas para facilitar as ações de pais e professores;
  • Terapia cognitivo-comportamental – com treinamento das habilidades sociais;
  • Método de reforço positivo com elogios, contrato de comportamentos, premiação;
  • Aconselhamento e treinamento de pais e professores - para que possam encorajar comportamentos adequados;
  • Terapia familiar – para melhorar o diálogo, a comunicação entre os membros da família;
  • Prática esportiva – para fortalecer a autoestima da criança.

     O tratamento só apresentará resultados positivos se houver engajamento dos pais.
     
     Dicas aos pais:
  •  Dedique um tempo a seu filho diariamente;
  • Converse com ele e realize atividades esportivas ou de lazer;
  •  Estimule a prática de esportes coletivos;
  • Explique claramente regras e instruções;
  • Explique possíveis consequências em caso de indisciplina;
  • Utilize técnicas comportamentais de manejo de sintomas opositivos e desafiadores;
  • Proponha acordos e privilégios em caso de atitudes assertivas;
  • Elogie atitudes positivas;
  • Evite punições físicas (bater na criança reforçará comportamentos agressivos);
  • Retire privilégios em casos de mau comportamento;
  • Comunique-se com professores e coordenadores sempre que necessário;
  • Realize passeios para promover a integração familiar.

Fonte:
·         TEIXEIRA, Gustavo. Manual dos transtornos escolares: entendendo os
         problemas de crianças e adolescentes na escola. Rio de Janeiro: BestSeller,  

        2013.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

sábado, 8 de junho de 2013

Jogos

Jogos para exercitar o cérebro 

Há muito se tem dito sobre a importância de se utilizar jogos na sala de aula e mesmo assim a resistência por parte dos educadores persiste.

O jogo pode e deve ser utilizado como fonte de aprendizagem e educação tanto para as crianças como para os educadores. No ato de jogar a criança se mostra como verdadeiramente ela é, de maneira espontânea.
Para a criança, tudo é jogo. Entretanto, os objetivos dos jogos utilizados na escola não devem ser os mesmos objetivos daqueles jogados em casa. Na aula, deve-se alcançar objetivos concretos de aprendizagem, de aquisição de conhecimentos, de desenvolvimento das capacidades cognitivas e sociais, entre outras.
Dentre as muitas habilidades, conhecimentos, capacidades e atitudes que os jogos podem desenvolver, podemos citar as seguintes:

  • favorecer a mobilidade;
  • estimular a concentração;
  • ajudar a desenvolver a imaginação;
  • facilitar a aquisição de novos conhecimentos e observação de novos procedimentos;
  • desenvolver a lógica e o sentido comum;
  • proporcionar experiências;
  • ajudar a explorar potencialidades e limitações;
  • estimular a aceitação de hierarquias e o trabalho em equipe;
  • agilizar a astúcia e o talento;
  • agilizar o raciocínio verbal, numérico, visual e abstrato;
  • incentivar o respeito às demais pessoas e culturas;
  • aprender a resolver problemas ou dificuldades e procurar alternativas;
  • estimular a aceitação de normas...
O jogo promove um desenvolvimento harmônico: físico, mental, social e psicológico. Há quem considere o tempo utilizado nessas atividades como perda de tempo por ignorarem que o que se aprende jogando e por meio de atividades lúdicas não se esquece jamais.

Pura brincadeira

Material: 6 palitos de fósforo ou de dentes
Dificuldade: difícil
Objetivos:

  • familiarização com figuras planas e tridimensionais;
  • desenvolver a imaginação;
  • aprender a observar com tranquilidade,
  • ...

Desenvolvimento: construir uma figura plana, com fósforos, que depois será modificada. Esclarecer que a primeira ideia, talvez, não seja a certa. Se não sair da primeira vez, tentar de outra forma, pois nos problemas não se deve ficar obsessivo com a primeira solução que aparece.
  • Com apenas seis palitos de fósforo, deve-se construir quatro triângulos equiláteros (com todos os lados iguais), sem cruzar nenhum palito por cima do outro e nem quebrá-los.

Fonte: Jogos para treinar o Cérebro - Jorge Batllori



 Jogos e Brincadeiras para Educação Infantil
Desenvolver atividades em Educação Infantil não é nada fácil, em razão dos alunos serem muito pequenos e ainda por não corresponderem de forma motora a muitas atividades. Assim, seguem algumas sugestões que poderão auxiliar o professor no cotidiano da sala de aula, bem como fora dela.

Caixa de Sensações: o professor pode encapar uma caixa de tênis fazendo um furo em forma de círculo, com dez centímetros de diâmetro. O professor deverá organizar materiais como retalhos, flocos de algodão, pedaços de lixa, tampinhas, caixinhas e outros objetos e ir colocando-os por uma das extremidades, a fim de que a criança, com a mão do outro lado, identifique o material.

Caminho Colorido: com folhas de papel pardo, faça um caminho para que as crianças carimbem os pés, com tintas coloridas. É uma atividade que envolve muito as crianças, e as deixam muito felizes.

Atividades que desenvolvem a psicomotricidade 


Toca do Coelho: Dispor bambolês no pátio da escola de forma que fiquem duas crianças em cada um e que sobre uma fora do bambolê. Ao sinal do professor, as crianças deverão trocar de toca, entrando duas em cada um. Sempre sobrará uma criança fora da toca.

De onde vem o cheiro? A professora irá passar perfume em um paninho e o esconderá na sala, num lugar fácil, onde os alunos deverão descobrir de onde vem o cheiro.

Dentro e Fora: Fazer uma forma geométrica bem grande no chão e pedir que as crianças entrem na delimitação desse espaço. Se quiser o professor poderá fazer outra forma dentro da que já fez onde irá pedir que os alunos adentrem também, explorando ainda que se a forma é pequena eles irão ficar apertados.

Arremesso: O professor fará uma linha no chão, usando fita crepe e as crianças deverão arremessar garrafinhas plásticas cheias de areia, para frente. O professor irá medir as distâncias e verificar quem conseguiu arremessar mais longe. Depois, em sala de aula, poderá fazer um gráfico explicativo.

Pneus: Esses podem ser usados para várias brincadeiras, como pular dentro e fora, se equilibrar andando sobre a parte de sua lateral ou ainda quem consegue rolar o pneu de um determinado lugar até outro sem deixá-lo cair.

Que som é esse?: Com faixas de tnt preto, vendar os olhos dos alunos e fazer diferentes barulhos usando instrumentos musicais, latas, brinquedos, etc., a fim de que as crianças identifiquem os mesmos.

Caixa Surpresa: Com uma caixa de papelão encapada, o professor irá mandar para a casa de um aluno a fim de que os pais enviem algum material que possa ser descoberto pelas crianças. O professor vai fazendo descrições do material, até que as crianças descubram o que é.

Pega-Pega Diferente: Dividir a turma em dois grupos e identificá-los com lenços ou fitas de cores diferentes. Após o sinal do professor os grupos deverão pegar uns aos outros e a criança pega deverá ficar num espaço delimitado pelo professor. Vence o grupo que tiver mais pessoas que não foram pegas. 

---------------------------------------------------

Senha

Objetivo: descobrir as cores e a posição das quatro peças escondidas atrás do logotipo do jogo.

Como jogar:
1. Escolha uma das quatro peças a colorir no painel de peças, que se encontra abaixo da barra de cores.
2. Escolha a cor para a peça dentre as seis disponíveis na barra de cores.
3. Repita a operação para cada peça.

Quando colorir as quatro peças, submeta as cores escolhidas para avaliação (botão submeter). Para cada peça que possua
a mesma cor e esteja na mesma posição de uma peça escondida, um círculo preto aparece no painel de resultados.
Para cada peça que possua a mesma cor mas que esteja em uma posição diferente de uma peça escondida, um círculo
branco aparece no painel de resultados.

OBS:
1. A ordem de colocação dos circulos no painel de respostas é aleatória.
2. Você pode mudar a cor de qualquer peça já colorida antes de submeter as cores para avaliação.
3. As cores escondidas não se repetem.

Você tem 10 chances para descobrir as cores escondidas. O jogo termina quando se descobre as quatro cores escondidas
ou se chega as 10 chances. Se ao final das 10 chances, você não descobrir as cores escondidas, o programa irá exibir a
resposta correta.

Se você quiser desistir antes de chegar ao fim, use o botão Desistir. O programa irá exibir a resposta correta.

Para jogar novamente, use o botão Novo Jogo.

Senha é um programa do tipo FREEWARE, isso significa que você pode distribuí-lo gratuitamente para quem você quiser, desde que nenhum dos arquivos do programa seja modificado ou omitido na distribuição do programa.

---------------------------------------------------

Basquete e Campo de Futebol (2 a 4 jogadores)

Objetivo: desenvolver a atenção, concentração, controle respiratório, trabalhar a área pneumofonoarticulatória.

Material necessário: cartolina, copinho de café, algodão, canudo fino/grosso.

Jeito de Fazer e de Jogar: As crianças recebem os materiais e lhes é solicitado que criem um campo de basquete e um campo de futebol. A bola é feita com chumaço de algodão. Com o canudo, ora fino, ora grosso, colocar, através de sucção (no basquete) e assoprando (futebol), a bola deve ser colocada dentro do copinho de café, que deverá ser aberto embaixo. No futebol deve ser levada ao gol, assoprando. O copinho de café deve ser colado mais alto, tipo cesta de basquete mesmo, usando uma cartolina mais grossa para fazer o “poste” e colar o copinho nele. O gol pode ser feito com o material que achar mais prático.

Nos encontre em

Diretório de Blogs 0859442f-81ec-4876-b2eb-427bd1bcdfe8
Tecnologia do Blogger.
 
CANTINHO DO BLOG © Copyright 2012.LAYOUTS E TEMPLATES GRÁTIS PARA BLOGS CLIQUE AQUI