É UM IMENSO PRAZER COMPARTILHAR IDEIAS, PENSAMENTOS E CONHECIMENTO COM VOCÊ.

Tradutor

Translate

Mostrando postagens com marcador crianças. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador crianças. Mostrar todas as postagens

sábado, 30 de agosto de 2014

Dedoches para a hora do conto


quarta-feira, 25 de setembro de 2013

FASES DO DESENHO INFANTIL

FASES DO DESENHO INFANTIL


FASES DO DESENHO INFANTIL

Estágios
Autores :

Luquet

Marthe Berson
LOWENFELD  E BRITTAIN


Piaget










Realismo fortuito:
começa por volta dos 2 anos e põe fim ao período chamado rabisco. A criança que começou por traçar signos sem desejo de representação descobre por acaso uma analogia com um objeto e passa a nomear seu desenho.

Estágio vegetativo motor: 
por volta dos 18 meses, o traçado e mais ou menos arredondado, conexo ou alongado e o lápis não sai da folha formando turbilhões.


GARATUJA (18 meses-4 anos): Enfatizam a importância da primeira infância e da arte no desenvolvimento da criança.
1-) Garatuja desordenada: traços desordenados e repetidos que variam em longitude e direção => A criança pode olhar para os outros enquanto desenha, não tendo controle visual sobre o que faz => Esse primeiro rabisco é um passo relevante no desenvolvimento, já que consiste na expressão que conduzirá a criança tanto ao desenho quanto à palavra escrita=> E por basear-se no desenvolvimento físico e psicomotor da criança, esse rabisco não constitui uma tentativa de representação, e sim, uma atividade que proporciona um extremo prazer.


2-) Garatuja controlada: embora os desenhos não sejam muito diferentes dos anteriores, é quando a criança descobre que há uma vinculação entre os traços que executa no papel e seus movimentos => o controle sobre as garatujas se reflete no domínio que adquire sobre outras partes: descobre o controle visual sobre os traços que faz e o prazer vem da sensação cinestésica e de seu domínio => sente estimulada a variar seus movimentos, repetindo linhas que são traçadas com grande vigor e podem ser feitas verticalmente, horizontalmente ou descrevendo círculos => Fase de importância fundamental para a criatividade, quando é importante a participação do adulto, estimulando mais a criança que o desenho em si.
- Já respeita os limites do papel e já pode variar cores.
- Traços pequenos ou pontos são mais raros, porque exigem que a criança levante o lápis do papel.
-  É capaz de fazer uma cópia, mas ainda não toma por base o modelo que lhe é fornecido, pois, de forma geral, seus traços costumam partir em direções imprevisíveis.
- A forma de pegar no lápis é variada também até +- 3 anos.
- a COR tem sdo. secundário, o que chama a atenção é a variação, o contraste.


3-) Garatuja com nome: começa a nomear suas garatujas=> indício de que o pensamento mudou de cinestésico para imaginativo(+ de 3 anos e meio)=> a criança começa a interagir seus movimentos com o mundo à sua volta => Os desenhos não mudaram muito, mas desenha com intenção: o tempo dedicado deve mudar e são mais diferenciados, muitas vezes acompanhado de uma descrição verbal do que está fazendo que é comunicação verbal consigo própria, anunciando o que vai desenhar antes ou depois de fazê-lo => um traço pode ser uma árvore ou a própria criança => traços sem sentido para o adulto, têm sdo. real para a criança, que deve ser encorajada=> desenvolve uma base para a retenção visual.
- O uso da COR é mais exploratório e mais relacionado à distribuição física das cores do que com os problemas emocionais da criança => tende a empregar cores diferentes para distintos significados.
- é perigoso fazer interpretações de garatujas: cores, círculos e linhas devem ser olhados como tais e não como símbolos.
- Se a garatuja continuar até mais velho(+ de 4 anos) pode indicar um retrocesso momentâneo em seu desenvolvimento e que, principalmente, se sente inseguro de si mesmo. Se se mantém até 7 anos, podemos falar que essa criança não se encontra no nível normal de sua idade.



Garatuja: 
Faz parte da fase sensório motora ( 0 a 2 anos) e parte da fase pré-operacional (2 a 7 anos). A criança demonstra extremo prazer nesta fase. A figura humana é inexistente ou pode aparecer da maneira imaginária. A cor tem um papel secundário, aparecendo o interesse pelo contraste, mas não há intenção consciente.
Pode ser dividido em :


1.1-Desordenada: movimentos amplos e desordenados. Com relação a expressão, vemos a imitação "eu imito, porém não represento". Ainda é um exercício.




1.2- Ordenada:
movimentos longitudinais e circulares; coordenação viso-motora. A figura humana pode aparecer de maneira imaginária, pois aqui existe a exploração do traçado; interesse pelas formas (Diagrama).
Aqui a expressão é o jogo simbólico: "eu represento sozinho". O símbolo já existe. Identificada: mudança de movimentos; formas irreconhecíveis com significado; atribui nomes, conta histórias. A figura humana pode aparecer de maneira imaginária, aparecem sóis, radiais e mandalas. A expressão também é o jogo simbólico.




Realismo fracassado: Geralmente entre 3 e 4 anos tendo descoberto a identidade forma-objeto, a criança procura reproduzir esta forma.

Estágio representativo: 
entre dois e 3 anos, caracteriza-se pelo aparecimento de formas isoladas, a criança passa do traço continuo para o traço descontinuo, pode haver comentário verbal do desenho.


PRÉ-ESQUEMÁTICA– PRIMEIRAS TENTATIVAS DE REPRESENTAÇÃO (4-7 anos):
movimentos circulares e longitudinais convertem-se em formas reconhecíveis com  tentativas de representação => A garatuja vai perdendo a relação com os movimentos corporais e passa a referir-se a objetos visuais, evoluindo para uma representação definida=> Começa a comunicação gráfica, temas nos desenhos, formas reconhecíveis.
- O homem é o primeiro símbolo(egocentrismo): um círculo como cabeça e duas linhas verticais como pernas => Depois, torna-se mais elaborada com a adição dos braços ao lado das pernas, e com uma forma arredondada entre as pernas que representa o corpo => Aos 6 anos chega a desenhar uma figura humana bem elaborada.
- O conceito de espaço nessa idade é muito diferente do adulto: concebe o espaço como sendo aquilo que a cerca, tendo seu corpo como referencial, como algo que gravita em torno dela=> Desenha, numa ordem aleatória, o que está a sua volta, representa conforme sua experiência => Os objetos aparecem acima, abaixo, ou ao lado uns dos outros, da forma como os compreende => Seus comentários tendem a ser desconexos e esparsos, pois estão mais vinculados à sua significação emocional do que à disposição ordenada dos acontecimentos.
- Se uma criança não consegue relacionar coisas entre si no espaço que se manifesta em seus desenhos não está madura ainda para aprender a ler=>
- Seu interesse é mais na relação desenho-objeto que cor-objeto, que pode ser representado de qualquer cor.
- Um indício importante dessa etapa é a flexibilidade ao desenhar; o que quer dizer que se uma criança desenha apenas repetições simples de um mesmo símbolo, revela uma tendência a se esconder atrás de símbolos sociais e uma que é mais sensível afetivamente pode exagerar os objetos ou fatos com os quais esteja emocionalmente envolvida.

Pré- Esquematismo: 
Dentro da fase pré-operatória, aparece a descoberta da relação entre desenho, pensamento e realidade. Quanto ao espaço, os desenhos são dispersos inicialmente, não relaciona entre si. Então aparecem as primeiras relações espaciais, surgindo devido à vínculos emocionais. A figura humana, torna-se uma procura de um conceito que depende do seu conhecimento ativo, inicia a mudança de símbolos. Quanto a utilização das cores, pode usar, mas não há relação ainda com a realidade, dependerá do interesse emocional. Dentro da expressão, o jogo simbólico aparece como: "nós representamos juntos".






 

Realismo intelectual: 
estendendo-se dos 4 aos 10-12 anos, caracteriza-se pelo fato que a criança desenha do objeto não aquilo que vê, mas aquilo que sabe. Nesta fase ela mistura diversos pontos de vista ( perspectivas ).

Estágio comunicativo: 
começa entre 3 e 4 anos, se traduz por uma vontade de escrever e de comunicar-se com outros. Traçado em forma de dentes de serra, que procura reproduzir a escrita dos adultos.


ESQUEMÁTICA – A  OBTENÇÃO DE UM CONCEITO DA FORMA (7-9 ANOS)
- Esquema: conceito que a criança adquire sobre um objeto e que repete continuamente => é diferente de estereótipo porque é flexível e permite desvios e variações, não são exatamente iguais => é sempre individual e difere de uma criança para outra => reflete a estrutura física e mental da criança que o cria e corresponde à sua personalidade.
- A criança começa a descobrir a relação entre o seu desenho e a realidade e transmitir em seus desenhos afetos e valores, o que pode ser observado tanto na expressão das personagens quanto nos locais e objetos => prevalece o emocional sobre o real => Para a criança não existe arte abstrata, pois ela sempre irá desenhar baseando-se em momentos vividos e em conhecimentos que são dominados pela sua imaginação.
- A criança pode exagerar partes importantes, desprezar as não importantes e mudar símbolos para partes efetivamente significativas, mas não tem consciência de estar produzindo essas diferenciações, que estão diretamente ligadas a sua experiência e retratam seu mundo subjetivamente => Pode também variar seu esquema de um objeto de uma hora para outra, dependendo do conhecimento ativo que tenha dele.
- Esquema humano: é o conceito de uma figura ao qual a criança chega depois de muita experimentação e é diferente entre as crianças. Nesta etapa ele vai ficando diferenciado, homem mais desenvolvido(partes do corpo); além da cabeça, corpo, braços e pernas, poderemos encontrar olhos, nariz, boca, mãos, dedos e pés, e até roupa.
- Começa a aparecer o perfil: primeiramente é a cabeça que  se volta, depois os pés, as pernas, os braços e, por último, o tronco, de forma que a criança consegue a movimentação que desejava => é comum apresentar uma combinação de perfil e de vista frontal, onde se inclui a representação dos dois olhos e de um nariz perfilado.
- Aparece esquemas de formas geométricas(ovais, triângulos).
- A principal descoberta desta etapa é a presença de uma ordem nas relações espaciais, com espaço bidimensional, com linha de base e objetos perpendiculares a ela, mesmo que pareça que estes objetos sejam desenhados de forma invertida (2 lados de uma rua, pessoas ao redor da mesa).
- Alguma experiência emocional pode forçar a criança a desviar-se desse tipo de esquema e usar representações subjetivas do espaço=> O processo de dobragem pertence a esta categoria => quando os objetos são desenhados perpendicularmente à linha de base, e parecem estar colocados de pernas para o ar.
- Inclui representações de espaço e tempo => necessidade de comunicação: a inclusão, no mesmo desenho, de diferentes seqüências de tempo ou de impressões espacialmente distintas.
- É comum representações tipo “raio X”, com transparências.
- Descobre a relação entre cor e objeto, o que significa que começou a encontrar uma certas lógica no mundo e está estabelecendo relações concretas com as coisas que a rodeiam. Esse processo é individual e cada criança desenvolve a sua relação de cor. Os desvios nos esquemas de cor nos permitem aprofundar no significado das experiências da criança, na sensibilidade dela em relação ao ambiente.
- Um esquema de forma rígida pode ser um modo de fugir ou esconder os próprios sentimentos e emoções.


Esquematismo:
Faz parte da fase das operações concretas (7 a 10 anos).Esquemas representativos, afirmação de si mediante repetição flexível do esquema; experiências novas são expressas pelo desvio do esquema. Quanto ao espaço, é o primeiro conceito definido de espaço: linha de base. Já tem um conceito definido quanto a figura humana, porém aparecem desvios do esquema como: exagero, negligência, omissão ou mudança de símbolo. Aqui existe a descoberta das relações quanto a cor; cor-objeto, podendo haver um desvio do esquema de cor expressa por experiência emocional. Aparece na expressão o jogo simbólico coletivo ou jogo dramático e a regra.



4º-

Realismo visual: 
É geralmente por volta dos 12 anos, marcado pela descoberta da perspectiva e a submissa às suas leis, daí um empobrecimento, um enxugamento progressivo do grafismo que tende a se juntar as produções adultas.


COMEÇO DO REALISMO (9-12 anos)
ð  Descobre que é membro da sociedade constituída por seus pares, grupo de iguais, um mundo real. Segundo Lowenfeld e Brittain (1970), na fase da Idade da Turma, que vai dos nove aos doze anos, a criança descobre que é membro de uma sociedade que é constituída pelos seus pares. Assim, as crianças descobrem interesses semelhantes, segredos compartilhados em comum, prazer em realizar coisas em conjunto, e essas experiências são fundamentais para que seja alicerçada sua capacidade de trabalho em grupo e de cooperação. Além disso, “esta fase caracteriza-se, também, pelo crescente progresso da independência social do domínio adulto, pela aprendizagem das estruturas sociais de modo todo pessoal.”
ð  O esquema já não é adequado para representar a figura humana, começam as representações de características ligadas ao sexo(temas diferenciados para as meninas e meninos), caminhando para uma forma mais ligada à natureza, embora ainda distante da representação visual.
ð  Outra característica que se observa, é que, se por um lado a criança adquire o sentido do pormenor, pelo outro freqüentemente ela perde o sentido da ação, de forma que suas representações da  figura humana acabam apresentando uma maior rigidez.
ð  Tem consciência visual: já não exagera e nem omite partes, maior proporção entre as partes. Acumula detalhes nas áreas emocionalmente significativas.
ð  Preocupação com detalhes, as vezes até em excesso, não aparecendo ainda luz, sombra ou movimento. Não há mais a transparência, nem os “dobrados”, toma consciência da superposição.
ð  Aproximação entre cor e objeto, percebe mais as nuances de cores; sensível às semelhanças e diferenças; temas diferentes para meninas e meninos.
ð  Passa da linha de base única (que começa a desaparecer e o espaço que fica abaixo dela tem o sdo. de solo) para o descobrimento do plano(espaço entre linha de base preenchido).
ð  Aparece a representação do horizonte => primeiros passos para a consciência de profundidade.

Realismo: 
Também faz parte da fase das operações concretas, mas já no final desta fase. Existe uma consciência maior do sexo e autocrítica pronunciada. No espaço é descoberto o plano e a superposição. Abandona a linha de base. Na figura humana aparece o abandono das linhas. As formas geométricas aparecem. Maior rigidez e formalismo. Acentuação das roupas diferenciando os sexos. Aqui acontece o abandono do esquema de cor, a acentuação será de enfoque emocional. Tanto no Esquematismo como no Realismo, o jogo simbólico é coletivo, jogo dramático e regras existiram.














PSEUDO-NATURALISTA (12-14 ANOS)
Depois que a criança passa pela experiência das amizades ela ingressa em outro estágio de 12 a 14 anos, que é chamada de Fase Pseudonaturalista por Lowenfeld (1977). Esta fase conhecida também como puberdade ou pré – adolescência é um período de grandes transformações físicas e nas áreas mental, emocional e social. Para este autor as mudanças corporais num indivíduo determinam maior consciência do seu lugar na sociedade e deverá acontecer, paralelamente, uma orientação com referência ao seu ambiente.
ð  Fim da arte com atividade espontânea ; período da razão (crítica)
ð  Atenção para o produto final. Cor: sdo. subjetivo.
ð  Fase das caricaturas: professores, pais e colegas =>  dificuldade de contato com as transformações corporais e psicológicas, dificuldades de desenhar a si mesmos => desenhos depreciativos
ð  É normal as articulações nas figuras humanas e exagero nas características sexuais
ð  O tridimensional aparece e objetos mais distantes apresentam tamanho reduzido => profundidade e perspectiva.
ð  Simpatia por desenhos de natureza.



Pseudo Naturalismo: 
Estamos na fase das operações abstratas (10 anos em diante)É o fim da arte como atividade expontânea. Inicia a investigação de sua própria personalidade. Aparece aqui dois tipos de tendência:
·          visual (realismo, objetividade);
·          háptico ( expressão subjetividade) No espaço já apresenta a profundidade ou a preocupação com experiências emocionais (espaço subjetivo).
Na figura humana as características sexuais são exageradas, presença das articulações e proporções. A consciência visual (realismo) ou acentuação da expressão, também fazem parte deste período. Uma maior conscientização no uso da cor, podendo ser objetiva ou subjetiva. A expressão aparece como: "eu represento e você vê" Aqui estão presentes o exercício, símbolo e a regra.









ADOLESCENTES: PERÍODO DA DECISÃO (14-17 ANOS)

ð  Desenho é produto de esforço consciente, início de uma aprendizagem voluntária para a arte.
ð  Crescente consciência estética.
ð  Presença de objetos não objetivos(abstratos)


Nos encontre em

Diretório de Blogs 0859442f-81ec-4876-b2eb-427bd1bcdfe8
Tecnologia do Blogger.
 
CANTINHO DO BLOG © Copyright 2012.LAYOUTS E TEMPLATES GRÁTIS PARA BLOGS CLIQUE AQUI